Mercabá

Ícone

Obras da Patrística

São Beda, o Venerável

Fonte

Jorge Luís Borges

Beda escreveu em latim, mas a história da literatura anglo-saxã não pode prescindir de seu nome. Beda e Alfredo o Grande foram os varões mais ilustres que produziu a Inglaterra germânica. Sua fama espraiou-se pela Europa; ao quarto céu, Dante viu no Sol, mais luminosos que este, a doces espíritos ardentes que formavam uma coroa no ar; um destes era Beda o Historiador (Paraíso, X)

Beda (673‑735) representa, segundo Maurice de Wulf, a cultura céltica dos monastérios irlandeses do século VII. Com efeito, seus mestres foram os monges irlandeses do monastério de Jarrow.

O qualificativo de venerável conferiu a Beda, em certos livros medievais, uma falsa longevidade; em verdade, morreu aos sessenta e três anos. Diz-se que venerável era um título dado a seu tempo a todos os sacerdotes. Uma lenda conta que um monge quis escrever o epitáfio de Beda, e não conseguindo terminar o primeiro verso:

Hac sunt in fossa Bedae… ossa,

decidiu descansar. Ao despertar, viu que uma mão desconhecida – sem dúvida, a de um anjo – havia intercalado durante a noite a palavra venerabilis.

Ele nasceu nas terras do monastério de São Paulo, em Jarrow, que está no norte da Inglaterra. Aos cinqüenta e nove anos escreveu: “Toda a a minha vida passei neste monastério, consagrado ao estudo da Bíblia e, entre a observação da disciplina monástica e a tarefa cotidiana de cantar durante os ofícios, meu deleite fora aprender, ensinar e escrever.”

Deixou um tratado de métrica, uma história natural baseada na obra de Plínio, uma cronologia universal da era cristã, um martirológio, biografias dos abades de Jarroe e a famosa História Eclesiástica da Nação Inglesa (Historia ecclesiastica gentis Anglorum), em cinco livros. Todos em latim, assim como copiosos comentários e interpretações da Escritura segundo o método alegórico. Escreveu hinos e epigrmas latinos, mais um livro de ortografia. Versificou também em anglo-saxão e deixou alguns versos, que murmurou em seu leito de morte, sobre a vaidade dos conhecimentos humanos. Soube do grego e do hebráico “tudo o que lhe puderam ensinar as obras de Jerônimo”. Um amigo seu escreveu que era doctus in nostris carminibus, versado em poesia vernácula. Na sua História Eclasiástica, narra a conversão de Edwin, o sonho de Caedmon, e recolhe duas visões ultraterrenas.

A primeira é a visão de Fursa, monge irlandês que havia convertido a muitos saxões. Fursa viu o inferno: uma cova cheia de fogo. O fogo não o queima; um anjo lhe explica: “Não te queimara o fogo que não ateaste.” Os demônios o acusam de haver roubado a roupa de um pescador que agonizava. No purgatório, arrojam contra ele uma alma em chamas. Esta lhe queima o rosto e um ombro. O anjo lhe diz: “Agora te queima o fogo que ateaste. Na terra tomaste a roupa desse pescador; agora, teu castigo te alcança.” Fursa, até o dia de sua morte, levou em seu rosto e no ombro os estigmas do fogo de sua visão.

A segunda visão é a de um homem de Nortumbria, chamado Drycthelm. Este morrera e ressusitara, e relatou (depois de dar todo seu dinheiro aos pobres) que um homem de rosto resplandecente o conduziu a um vale infinito e que à esquerda havia tempestades de fogo e, à direita, de granizo e de neve. “Ainda não estás no inferno”, disse-lhe o anjo. Depois, vê muitas bolas de fogo negro que sobem de um abismo e que caem. Depois, vê demônios que se riem porque arrastam ao fundo desse abismo as almas de um clérigo, de um leigo e de uma mulher. Depois, vê um muro de extensão infinita e de infinita altura, e mais além, uma grande pradaria florida com uma aglomeração de gente vestida de branco. “Ainda não estás no céu”, disse-lhe o anjo. Quando Drycthelm vai descendo pelo vale, atravessa uma região tão escura que só vê o traje do anjo que o precede. Beda, ao contar a cena, intercala um verso do livro VI da Eneida:

(Ibant obscuri) sola sub nocte per umbram

Um pequeno erro – Beda não escreve umbram, mas umbras – prova de que a citação foi feita de memória e, ainda, a familiaridade do historiador saxão com Virgílio. No texto há outras reminiscências virgilianas. Beda conta também a história de um homem a quem o anjo deu para ler um livro minúsculo e branco em que estavam registrados seus bons atos – que eram poucos – e o demônio um livro horrível e negro, “de tamanho descomunal e de peso quase insuportável”, em que estavam registrados seus crimes, além de seus maus pensamentos.

Citamos algumas curiosidades da História Eclesiástica, mas a impressão geral que o volume deixa é de serenidade e sensatez. A extravagância parece corresponder à época, não ao indivíduo.

“Quase todas as obras de Beda – escreveu Stopford Brooke – são epítomes instrutivas, de grande erudição, de escassa originalidade, mas repletos de claridade e mansidão.” Suas obras foram livros de texto da escola de York, a que concorreram estudantes da França, da Alemanha, da Irlanda e da Itália.

Beda, muito doente, estava traduzindo em anglo-saxão o Evangelho de São João. O amanuense lhe disse: “Falta um capítulo.” Beda ditou-lhe a tradução; logo, disse-lhe o amanuense: “Falta uma linha, mas estás muito cansado.” Beda ditou-lhe a linha; o amanusense disse: “Agora acabou-se.” “Sim, acabou-se”, disse Beda, e pouco depois morreu. É belo pensar que morreu traduzindo – quer dizer, cumprindo a menos vaidosa e a mais abnegada das tareas literárias – traduzindo do grego, do latim, para o saxão, que, com o tempo, viria a ser o grande idioma inglês.

Arquivado em:São Beda

One Response

  1. Gostaria de conhecer o Tratado de São Beda referente aos Reis Magos. A obra ‘Excerpta et colletanea’. Estou trabalhando em um projeto artistíco que fala da trajetória dos reis em busca de uma estrela. Não consegui ainda achar esta obra.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blogroll- Brasil

Blogroll- Portugal

Blogroll- USA

Hinos

Música Sacra - Natal

Música Sacra - Páscoa

Música Sacra - Quaresma

Música Sacra- Advento

Site Meter

  • Site Meter

Sites

Wordpress

%d blogueiros gostam disto: